Carcinoma Escamoso da Língua (meios de definir um prognóstico)

20/06/2018 at 12:16

admin

Comentários 0

carcinoma

O carcinoma escamoso é o câncer maligno mais comum na região de cabeça e pescoço, especialmente na cavidade bucal.

Apesar dos avanços nas formas de diagnóstico e tratamento, estima-se que 275 mil novos casos por ano são diagnosticados no mundo, e a taxa de sobrevivência após o diagnóstico gira em torno de cinco anos para 50% das pessoas atingidas pela doença ao redor do mundo.

No intuito de ampliar a pesquisa para saber quais são meios de definição de um prognóstico para os pacientes atingidos por esta doença após o diagnóstico, Kolokythas A. e colaboradores, da Universidade de Illinois, em Chicago (EUA), analisaram o padrão histopatológico dos espécimes removidos no momento da biópsia para estabelecer uma correlação entre os parâmetros histopatológicos desses espécimes e o prognóstico da doença. Parâmetros esses definidos por Brandwein-Gensler et al. em 2005, tais como: 1) padrão de invasão celular; 2) resposta dos linfócitos do hospedeiro; e 3) invasão perineural das células.

Dos 49 pacientes nos quais tiveram seus espécimes analisados histologicamente, 31 livraram-se da doença; porém, 18 faleceram em menos de dois anos de acompanhamento. A média de idade entre os pacientes foi de 55 anos, sendo que o paciente mais jovem tinha 18 anos e o mais velho 80 anos.

A conclusão desses pesquisadores foi a mesma de muitos outros: há uma limitação ao se utilizar esses parâmetros histopatológicos para definir a agressividade do câncer e a necessidade de se estabelecer tratamentos mais agressivos consequentemente.

Houve, sim, uma correlação entre marcadores histopatológicos, tais como o grau de diferenciação celular e a presença de queratina nos espécimes nos casos em que houve um pior prognóstico após o diagnóstico da doença.

É fato que muitas pesquisas da atualidade estão em busca de marcadores histopatológicos, ao invés de um padrão histopatológico, para diagnosticar e estabelecer o tratamento de muitas patologias. A presença dos mesmos poderá ser associada, sim, a um comportamento futuro e até mesmo uma média de prognóstico poderá ser definida para a patologia diagnosticada através deles.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*