Comparação das mudanças na qualidade de vida entre os pacientes padrão II (dois) e III (três) de face durante e após o tratamento ortodôntico-cirúrgico

04/06/2018 at 19:04

admin

Comentários 0

Comparação das mudanças na qualidade de vida entre os pacientes padrão II (dois) e III (três) de face durante e após o tratamento ortodôntico-cirúrgico

Os pacientes padrão II de face (mandíbula retraída e perfil convexo) e os pacientes padrão III de face (mandíbula projetada e perfil côncavo), quando diagnosticados nos graus moderado e severo da deformidade dentoesquelética que apresentam, necessitam passar por um tratamento ortocirúrgico que, obrigatoriamente, exige a interação destas duas especialidades da Odontologia: a Ortodontia e a Cirurgia Bucomaxilofacial.

Nesses casos clínicos, a Ortodontia serve para deixar os DENTES alinhados na base óssea da forma correta (descompensação) para que, posteriormente, a cirurgia possa posicionar os OSSOS na localização correta (cirurgia ortognática). Assim, o paciente poderá mastigar, respirar e falar da maneira ideal, pois teve a sua deformidade tratada de forma integral através da terapia ortodôntico-cirúrgica.

Um estudo realizado nos Departamentos de Cirurgia e Ortodontia das universidades das cidades de Shiraz e Yasuj, no Irã, comparou índices para checar a qualidade de vida entre 58 pacientes operados pela equipe, sendo 50% dos pacientes classificados como padrão II de face e 50% como padrão III.

A pesquisa concluiu que, como a utilização do aparelho ortodôntico agrava o quadro clínico do paciente antes da cirurgia, os pacientes padrão II de face demonstraram uma queda significativa na qualidade de vida antes da cirurgia em virtude da colocação dos dentes na posição óssea ideal para a realização da mesma. Porém, os pacientes padrão III, apesar do agravamento do quadro clínico antes da cirurgia, não apresentaram essa piora na qualidade de vida. Os pesquisadores acreditam que isso seja uma compensação psicológica — só o fato do aparelho ortodôntico estar instalado já os acalma e acalenta, porque sabem que a cirurgia está próxima e poderão avisar qualquer interlocutor desse fato.

Todos os outros critérios pesquisados: limitação funcional, dor, desconfortos físico e psicológico durante o tratamento ortodôntico e após a cirurgia, aumentaram a qualidade de vida de forma significativa nos dois padrões de face pesquisados e comparados.

O estudo demonstra como a cirurgia ortognática, de forma estatisticamente significativa, melhora a qualidade de vida dos pacientes que a ela se submetem para a correção das deformidades dentoesqueléticas que foram previamente diagnosticadas por algum profissional e, muitas vezes, até por eles próprios.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*