Antidepressivos X Boca seca

Talvez já seja do conhecimento de muitos que os medicamentos antidepressivos e ansiolíticos, os benzodiazepínicos inibidores seletivos da receptação de serotonina utilizados para o tratamento de algumas doenças psíquicas, tais como, o TOC (transtorno obsessivo compulsivo), o TDM (transtorno depressivo maior) e o TAG (transtorno de ansiedade generalizado) têm dentre um dos seus muitos efeitos colaterais a xerostomia, que nada mais é do que a diminuição da produção e secreção de saliva pelas glândulas salivares da cavidade bucal, desta forma, o paciente sente constantemente a boca seca. Em média, levam oito semanas (dois meses) para que este efeito comece a ser percebido pelo paciente após o início da ingestão do medicamento.

Em um estudo, dentre 23 medicamentos antidepressivos pesquisados, 96% deles causaram este efeito colateral. O preocupante é que  grande parte da comunidade médica que prescreve esta medicação não orienta o paciente a ter por perto durante esta fase o acompanhamento próximo por um cirurgião dentista, pois, a xerostomia provoca ou acelera o aparecimento e o desenvolvimento de muitas doenças na cavidade bucal pela ausência da presença de saliva,  causada pela drástica diminuição de secreção salivar por estas medicações.

 

Dentre as doenças ocasionadas na cavidade bucal pela xerostomia encontram-se:

  • Doença cárie, principalmente as cáries de raiz (localizadas na raiz exposta de dentes com retração gengival);

  • ardência ou dores na língua;

 

  • dificuldade na fala;

  • dificuldade em engolir os alimentos;

  • aftas;

  • lesões traumáticas por mordedura nas mucosas da cavidade bucal;

 

  • mau hálito;

  • trincas ou fraturas dentárias (devido a desidratação dos dentes, eles ficam mais enfraquecidos);

 

  • acúmulo de tártaro (cálculo dentário).

Em alguns casos, a depressão sobre as funções psicomotoras e cognitivas que estes medicamentos causam é de tal monta que a xerostomia provocada e tão grave que nem a ingestão de litros de água ao longo do dia e o uso de saliva artificial mantêm sob controle o que causa na cavidade bucal a ausência salivar.

Caso o paciente não possa fazer a suspensão ou a troca da medicação, necessitará aumentar a frequência de ida ao dentista para que o mesmo coloque em execução ações e tratamentos preventivos antes que seja necessário atendimentos para o tratamento das sequelas. Caso as doenças provocadas na cavidade bucal pela xerostomia não sejam prevenidas, o paciente terá que colocar no rol de suas despesas com saúde o que precisará investir para tratar os problemas causados pela boca seca, quando a prevenção seria uma atitude muito mais econômica e inteligente.

  • Share post

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.


*