Tumor Maligno de Glândula Salivar no Osso Mandibular?

24/01/2019 at 11:47

admin

Comentários 0

Tumor Maligno de Glândula Salivar no Osso Mandibular?

Chama-se carcinoma mucoepidermoide o tumor de glândula salivar mais comum da cavidade bucal. Contudo existe um subtipo desse câncer chamado carcinoma CENTRAL mucoepidermoide, que está associado a dentes não erupcionados, quatro vezes mais comum quando associado ao dente terceiro molar mandibular incluso, o siso.

Acredita-se que a sua origem é devida a um resto celular de glândula salivar que fica retido por engano no tecido ósseo mandibular durante o desenvolvimento embrionário ou até mesmo devido a transformação do folículo pericoronário (o tecido que envolve o dente incluso), já que foi comprovado o seu poder pluripotencial de transformar-se em outros tecidos: cistos e carcinomas, por exemplo.

Um paciente do Departamento de Patologia da Universidade de Maryland, nos Estados Unidos, apresentou desmaios associados à dormência na língua e nos lábios inferiores, entretanto nenhuma alteração na mucosa da cavidade bucal ao exame clínico. A ressonância do crânio também não demonstrou nada, mas não foi solicitada nenhuma radiografia odontológica.

Após oito meses, ao retornar ao departamento, o mesmo paciente estava com dor e limitação ao abrir a cavidade bucal e, novamente, nenhuma lesão na mucosa da cavidade bucal. Foi solicitada uma radiografia panorâmica e constatou-se uma pequena lesão radiolúcida associada a um siso incluso.

Na biópsia da lesão, foi diagnosticado um carcinoma CENTRAL mucoepidermoide e o paciente já aparentava metástases cervicais, cerebrais e pulmonares.

O equívoco desse caso clínico foi a equipe não ter solicitado uma simples radiografia panorâmica na primeira consulta do paciente, quando havia somente uma dormência na língua e no lábio, mesmo não havendo nenhuma manifestação na mucosa da cavidade bucal. Sendo assim, o carcinoma teria sido diagnosticado na primeira ida do paciente à universidade e o tratamento iniciado antes da ocorrência das metástases.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*